Shopping Cart
Your Cart is Empty
Quantity:
Subtotal
Taxes
Shipping
Total
There was an error with PayPalClick here to try again
CelebrateThank you for your business!You should be receiving an order confirmation from Paypal shortly.Exit Shopping Cart

Sportsmanship Incentive Movement

to stop insult is to stop physical violence

na Caneta de um Emigrante

História verídica contada na primeira pessoa

"Olhar para o lado"

June 11, 2019

Nem sempre quando olhámos para o lado é para ignorar, neste caso até estava bem acompanhado, no quarto da noiva a fazer uma das minhas paixões, rádio com uma grande escritora de poemas Açoriana, Mariense.


No entanto por vezes olhámos para o lado para evitar alguém, não para evitar o confronto, mas sim para evitar aberração de meninas incapazes da responsabilidade e do respeito de serem filhas, quanto mais Mães, fica bem nas redes sociais levar duas horas a maquilhar-se para depois ir atrás ao quintal tirar uma selfie deitada num chão pago por outros e deixar à criatividade e imaginação da humanidade virtual o local ou os locais por onde nunca tiveram se não mesmo no pensamento ou num sonho profundo.


Levantar a mão a um pai mesmo tendo ou não razão é mau, muito mau, mas ter a ousadia, a falta de respeito e o atrevimento de lhe bater na cara pode parecer do pior mas não, o pior mesmo são as palavras após tão covarde acto aplicado ainda por cima num pai debilitado fisicamente pelas razões mais que conhecidas e divulgadas de tal forma que o levou aceitar a imposição de sair da rede Social Facebook.


Foi em véspera do 10 de Junho dia de Portugal de Camões e das Comunidades, foi no dia de mais uma conquista Lusitana, mas não importa o dia, o momento infelizmente aconteceu, a gravação esta lá, por certo que as marcas físicas Irão desaparecer com o tempo mas no meu imaginário penso que já mais se apagam, irá comigo para eternidade.


Perdoar até posso, vergar não sei, esquecer nunca, não olharei para o lado, sempre que me cruzar falo-ei de frente, olhos nos olhos, posso não ter dado tudo, mas dei o que sempre podia, posso não ter sido um bom pai, mas sempre os AMEI, emigrei na procura de melhor vida, mas nunca os abandonei, hoje até lhe serve o facto de ter imigrado à 12 anos, pois se eu cá não estivesse a vida para ela era bem mais dura do outro lado do Atlantico.


Nunca saberei o que é amor de Mãe, mas infelizmente sei o quanto pesa as mãos de uma filha, as marcas dessaparecem, as sequelas ficam e só mesmo o tempo as pode apagar ou uma qualquer demência.


Foto de: Aida Teodoro

Texto de: Paulo Almeida

0