Sportsmanship Incentive Movement

to stop insult is to stop physical violence

This site uses Google reCAPTCHA technology to fight spam. Your use of reCAPTCHA is subject to Google's Privacy Policy and Terms of Service.

Thank you!

Carta aberta a Wjfd

Fica feio permitir aos ouvintes que obtém linha insultarem as mães dos outros, mas também é deselegante quando um locutor em directo ameaça os ouvintes que tentam ligar para participar num programa que ao que parece é linha aberta.


Existem rádios 📻 que estagnaram no tempo, nós ouvintes e comunidade merecemos mais e melhor como receptores, já fui mal tratado na rádio e não fiz nada e perdoei, até já apertei a mão dessa pessoa depois disso, não guardo ódios até porque o ódio é um fardo muito pesado de carregar, acho no mínimo estranho que tente entrar no programa e só o tenha conseguido fazer uma vez e com um número diferente, há quem necessite de uma reciclagem, nós necessitamos de melhor serviço, os portugueses pagam dos seus impostos para essa rádio, não são só os patrocinadores, eu como contribuinte e ouvinte também pago e peço que melhorem o serviço e que apresentem mais qualidade e que vejam nesta carta aberta a oportunidade de melhorar e não de levantarem processos judiciais a pessoas de bem que apenas exigem igualdade de oportunidades.


Com as novas gerações cada vez mais distantes ao que os podia ligar ao seu País Portugal, é imperioso juntar a qualidade a tudo que se faz sobe pena de se perder no tempo uma cultura, uma língua, um povo e aqui somos todos responsáveis de no tempo não se recuperar o que no tempo se perdeu e não é por um ouvinte criticar as políticas desportivas de um determinado clube ou dirigente que se deva fechar as linhas telefônicas por meses, muito menos quando essas críticas são fundamentadas em processos que estão expostos de forma pública.


O fair play é-me uma palavra muito querida, é uma palavra fácil de se dizer, mas difícil de se executar em muitos casos até de se compreender.


Não devemos pensar pelo facto de possuir bons aparelhos, bom equipamento e alta tecnologia que somos os melhores, muita vez o bom faz-se do quase nada e os maus fazem-se do quase tudo.


Sem patrocinadores é difícil de sobreviver, mas a rádio sem ouvintes é como entrar num cemitério de campas abertas e gritar levantem-se.


Desejo a continuação de êxito e que o êxito esteja de mão dada com a qualidade.


Paulo Almeida